Festa da Cultura Popular

Festa da Cultura Popular numa associação
Texto: educadora Adriana Pereira

Desde que me tornei educadora na Vivendo e Aprendendo, sou apaixonada pelos espaços de diálogo e construção coletiva, vejo que estas características permeiam a prática pedagógica com as crianças e a sua culminância é na voz ativa das crianças e noção de coletividade delas. Um dos eventos que mais me mobiliza como educadora, é a Festa da Cultura Popular, que acontece todo mês de Agosto, uma forma de celebrar e explorar aspectos culturais do nosso país, definitivamente o que eu gosto nesse evento é a sua dinâmica de organização. Nos reunimos educadores/as e famílias, conversamos sobre os objetivos da festa, depois levantamos diversos temas que acreditamos ser relevantes como um possível fio condutor do trabalho pedagógico e celebração cultural com as crianças. Discutimos a relevância cultural, social e histórica dos mesmos, há defesas empolgantes de ideias, muita troca de saberes nesse momento. Quando chegamos ao tema, mediante consenso, começamos a pensar quais abordagens históricas e culturais faremos.

Contação de histórias com a princesa Adriana

Após esse primeiro encontro de escolha do tema, as famílias são novamente convidadas à
construírem com a equipe pedagógica, as reflexões e conhecimentos, que se transformaram em subsídio para as atividades pedagógicas com as crianças. Nesse encontro, são também convidados estudiosos/as sobre o tema. Em 2015, quando celebramos as diversas culturas dos povos Indígenas do Brasil, diversos pais e mães, que são antropólogos/as e educadores/as nessa temática, participaram dessa roda, trouxeram muitos materiais didáticos, foi memorável esse envolvimento. No ano seguinte, a festa foi sobre uma comunidade quilombola, os Kalungas, novamente muita dedicação em pesquisar o tema, aprender sobre a importância dos quilombos frente ao modo de produção escravista e preservação da identidade e da cultura da população afro-brasileira. No ano passado, a festa da cultura, nos convidou a olhar para arte de rua, danças, grafites, pixos, malabaristas e acrobatas dos sinais de trânsito, batalhas de MC’S, Slam, estátuas vivas, skates, parques… A rua com suas multi expressões nunca mais foi vista pelas crianças da mesma maneira, que a veem como um organismo vivo e criador de estéticas próprias.

Minha turma, fez uma atividade, que era entrevistar familiares a amigos/as sobre suas brincadeiras e lembranças mais carinhosas da rua, reconhecendo narrativas e percebendo de forma intergeracional aspectos culturais relevantes para sua visão de mundo. Depois fomos dar um passeio de ônibus para ver alguns grafites pela cidade e muitas outras vivências, as crianças gritavam empolgadas nomes de artistas do grafite da cidade que estavam conhecendo.

Ano passado, decidimos que a Festa da Cultura Popular ao celebrar expressões culturais que não se dão entre muros ou cercas, deveria acontecer na rua. E lá fomos nós, cada um levando um alimento para compartilhar, toalhas de piquenique, skates, bolas e objetos para uma feira de trocas. Numa tarde de sábado ocupamos um espaço público, como mais de 150 crianças, suas famílias e educadores, todos e todas dedicados a essa experiência. Quando chega o recesso do meio do ano, já começo a pensar que na volta, me esperam rodas de conversas e debates memoráveis sobre Cultura Popular, em companhia de toda a comunidade escolar, meu coração se aquece!

Me Chamo Adriana Pereira e educação para mim, tem que ter gente em roda, trocando, socializando e disposta a se implicar no processo.

Festa Junina 2018

Domingo, 17 de junho, ocorreu a aguardada festa junina da Vivendo e Aprendendo. A festa foi realizada no bucólico espaço da associação que, com seu amplo pátio arborizado, suas casinhas coloridas e a criativa decoração dos professores, se tornou um verdadeiro arraial.

Durante a festa, foram promovidas muitas brincadeiras típicas de festa junina, como a pescaria, a corrida de saco e jogos de arremesso. Mas o auge do evento deu-se com a apresentação do artista Edy Natureza que, em cima de pernas de pau e de fantasia, se transformou em um pica-pau gigante. As crianças foram à loucura, correndo pelo espaço da escola inteiro (umas atrás da ave, outras fugindo dela), com muitos risos e alegria, como em qualquer festa tem de ser.

Por fim, encerramos a festa com uma grande quadrilha, regada a muitas risadas e uma deliciosa fogueira em nosso jardim.

Texto e fotos por Paulo Frederico

 

 

 

Chá de livros 2018

Nosso chá de livros aconteceu na tarde de sábado, 24 de março. Mas e o que é o Chá de livros? É um evento pedagógico da Vivendo realizado anualmente com o objetivo de valorizar a cultura literária infantil e fomentar o desejo e a curiosidade das crianças pela leitura. É um dia também de encontro entre as famílias e celebração da nossa associação com atividades, contação de histórias, teatro, restauração de livros, oficinas e quitutes deliciosos!

Nas semanas que antecedem o Chá, as turmas trabalham diferentes obras literárias, produzem decorações para o evento, separam os livros que precisam ser restaurados, refletem e dialogam sobre o cuidado com os nossos livros.

Para o Chá, os/as educadores/as vão a livrarias e fazem uma lista de títulos significativos para cada turma, pensando em temas importantes para o grupo, em diversidade de gênero, racial, de tipologia textual e que auxiliem nas investigações dos projetos.

Na edição de 2018, destacamos a produção literária produzida pelas escritoras e ilustradoras brasilieiras e no dia do c, tivemos uma programação cheia de atividades: espaços de contação de histórias, brincadeiras com fantoches, teatro de sombras, oficinas de restauração e dedicatória, dentre outros. Fotos por Juliana Caribé (mãe associada)

Festa da Cultura Popular 2017

Texto e fotos por Pedrinho Fonseca (pai associado da Vivendo e Aprendendo)

O lugar somos nós. Se lá não estamos, o lugar é imaginação. Nosso pensamento tentando habitar um espaço desconhecido com cores, árvores, bancos, brinquedos, um sol que se põe no horizonte. Mas quando lá estamos, o lugar passa a existir. E aí o pensamento, livre deste trabalho imaginativo, ocupa-se em pensar em como podemos ocupá-lo. Juntos, aquele lugar – que existe – e nós, nos tornamos um.

No sábado, dia 26 de agosto de 2017, a Vivendo e Aprendendo ocupou a Praça do Compromisso para celebrar a Festa da Cultura Popular – pensada, organizada e festejada por toda a comunidade da escola. A cultura popular, queiramos ou não, nos habita. Somos nós o lugar para que ela exista (e resista). E um inexiste sem o outro. Estamos tão ligados (nós na cultura e ela em nós) que toda vez que uma força obscura e temerosa quer nos enfraquecer, o que faz? Tenta apagar a nossa cultura, a nossa memória, a nossa existência.

Ocupar a praça, no sábado, foi transpor a imaginação, levar o pensamento para passear, junto com tantos outros pensamentos – similares, distintos, iguais, opostos. E do conjunto de encontro dos nossos pensamentos, na praça, ocupamo-nos de fazer existir e resistir a cultura popular. Uma festa se fez em nós.

 

 

 

 

Festa da Vivendo – maio 2017

Festa é na gente. Parece que é do lado de fora – nas lâmpadas, na música, nas cores, cheiros e sabores de um espaço que se ocupa quando nos reunimos.

Parece, mas não é. Festa é dentro. É quando apesar de você, amanhã há de ser outro dia – Chico já havia nos dito. É quando a gente olha ao redor e vê que o mundo anda roto – mas a esperança ainda mora em nós. É quando a gente ainda acredita no amor e desacredita no ódio.

Festa é na gente que ainda se abraça sem motivo, sorri gratuitamente, beija sem pensar. E aqui, bem dentro da gente, havia uma festa que não silenciava. A festa que nos mobiliza, nos coloca juntos para pensar, discutir um tema, conceber a decoração, preparar o nosso espaço cotidiano para receber quem sequer já veio aqui.

Foram semanas de festa na gente. Semanas de muito trabalho. Cada um fazendo a sua parte, todos juntos fazendo a parte maior: tirar a festa de dentro da gente e dividir com o mundo lá fora. A casa nossa é vossa. Venham. A festa da Vivendo e Aprendendo é essa festa na gente, quando cresce tanto que não cabe mais em nós, quando não se contenta em ficar dentro e ganha vida, convida.

Bem-vindas, bem-vindos. A festa é na gente.

Durante a festa, o fotógrafo e pai de alunas Pedrinho Fonseca registrou momentos num Lambe-Lambe improvisado. O resultado de algumas fotos estão neste álbum. E sim, o lindo texto acima também é dele.

Fotos da Festa da Vivendo

Galera do Sanatório Geral,

Seguem alguns registros da festa da Vivendo (14 de maio de 2016). Quer publicar suas fotos? Manda para comunicacao@vivendoeaprendendo.org.br

Muito obrigado/a pelos cliques. Dia 17 de setembro tem a segunda edição, fiquem ligados!