Wilma Lino Dutra: A menina perdida que se encontrou e hoje ensina o que é o amor

Aos 47 anos, ela conta que aprender a ler foi uma de suas maiores emoções durante toda a sua vida: “Acho que por isso depois me tornei professora”, conta em entrevista ao HuffPost Brasil.

De onde vinha o amor? Ela não sabia. E, de fato, ela demorou muito tempo para reconhecê-lo. Ainda pequena, se viu sozinha, encontrada nas ruas da Ceilândia, cidade do Distrito Federal, sem lembrar do próprio nome ou endereço, apenas o nome dos pais, Albertina e Pedro, na memória. Foi levada para um orfanato com sete anos e lá teve nome e data de nascimento inventados. Nascia ali, Wilma Lino Dutra, hoje com 47 anos. Uma mulher que passou por diversos processos até descobrir quem realmente era, mesmo que não soubesse, de fato, quem fora antes. E hoje, a professora de uma sala com paredes laranja, que sai da porta no fim do dia com sorriso largo no rosto, óculos de armação tie-dye azul, cabelos curtos claros, short jeans e regata, sabe, sim, amar.

Ela tem pouca memória de infância. Consegue lembrar da mãe, que tinha família grande, que um dos seus irmãos já tinha sumido, que chorava quando a mãe saía pra trabalhar, que tinha o apelido de Tuta do qual não gostava. Lembra também do orfanato, de brincar, de subir no abacateiro, de plantar morango, da escola e dos amigos. Aprendeu a ler com 11 anos e nunca esqueceu o momento em que conseguiu entender as palavras que via.

Wilma Lino Dutra é a 73ª entrevistada do projeto “Todo Dia Delas”, que celebra 365 Mulheres no HuffPost Brasil. 

“Fiz a escola com muita dificuldade e tinha muita vergonha disso. Mas me lembro muito bem do dia em que consegui ler, uma das freiras que me ensinava chorou de emoção, me abraçou e me beijou, e me disse “Wilma, você aprendeu a ler”. Foi uma das cenas mais marcantes da minha vida, acho que por isso depois me tornei professora”.

Para encontrar seu caminho, no entanto, a jornada foi longa. Aos 12 anos foi “adotada” por uma família, como era muito comum na década de 70 no Brasil, ela foi para casa, na verdade, trabalhar. “Era aquela coisa, eu tinha estudo, tinha dentista uma vez por ano, ganhava presente, mas ela tinha filhas com idade próxima a minha e elas não faziam nada”. Mais tarde a filha da “mãe postiça” a levou pra casa pra cuidar do filho dela. Ela trabalhava como babá de dia, e estudava de noite. Quando completou 18 anos, uma senhora que sempre encontrava com ela no parquinho com as crianças lhe ofereceu um emprego para lavar, passar e cozinhar, mas desta vez ela teria um salário. Continuou a estudar, pensou em fazer pedagogia, mas acabou indo pra Contabilidade.

Aprender a ler e conhecer histórias de mulheres tão incríveis quanto ela mesma só fez Wilma crescer. Hoje, a menina é mulher. E professora.

Foi com outra família para Florianópolis, mas resolveu voltar para Brasília. Foi acolhida por uma amiga, que ela considera como irmã, da época do orfanato. Trabalhou com o que podia, em padarias e depois como vendedora. Até que a patroa a indicou para uma vaga para ser auxiliar de professora na escola da filha. “Ela dizia que eu tinha jeito com crianças e eu pensei: não sei nem ler direito, como vou ser professora? Quando cheguei lá eram seis vagas com 18 pessoas concorrendo. Eu achei que não ia conseguir, todo mundo de universidade e eu ainda falava errado! Mas passei pelo processo seletivo e nem acreditei quando fui selecionada. Chorei muito”.

Na escola cheia de casas coloridas, no centro de Brasília, quase ao lado da Esplanada dos Ministérios, ela cresceu, viveu e aprendeu. No início foi difícil, ela era tímida e tinha dúvidas se conseguiria. Com um modelo mais alternativo de educação, baseada no diálogo e na escuta das crianças, ela acabou por se descobrir.

“O início foi muito difícil, mas acho que sofri foi pra me auto-conhecer mesmo. Porque tudo que é seu sai no processo de se tornar professora. E na escola, as pessoas eram sinceras comigo, me diziam não é assim que faz, mas também me perguntavam o que eu achava. Então, a impressão que eu tive era que eu podia ser eu mesma. A Wilma brava, a Wilma cheia de coragem, que tinha ideias, que era criativa”.

Lá se vão duas décadas na mesma escola, a Vivendo e Aprendendo, reconhecida pelo MEC como modelo de educação inovadora, com alunos da educação infantil indo e vindo, e foi nessa convivência que Wilma descobriu o amor. “Nunca ninguém tinha dito que me amava ou sequer se gostava de mim e eu escutei isso a primeira vez na escola. Não me lembro sequer dos meus pais terem me dito isso. E quando ouvi pela primeira vez eu pensei: como as pessoas podem se amar? Como isso funciona? Mas eu aprendi o que era. Aprendi a me amar, aprendi a lutar pelo que eu queria, aprendi a ser mais forte e falar o que eu penso e e aceitar as pessoas do jeito que elas são. Isso sim é amor”, conta com lágrimas nos olhos.

Foi na escola no centro de Brasília que ela aprendeu a se identificar com ela mesma.

Foi nesse processo que ela conseguiu se olhar e se ver de uma forma mais gentil. Foi longo e dolorido para alguém que sempre ouvi tantas coisas ruins de si mesma, se ver no espelho com mais amor. “Eu cresci achando que eu era um pessoa feia, gorda, burra. E na escola eu comecei a escutar elogios, como você é bonita, forte e corajosa, coisas que eu sequer via em mim. Então eu comecei a me aceitar, a entender que sim sou bonita, que eu podia estudar e aprender, que eu era inteligente. Isso me ensinou a ser mulher e não ter vergonha de falar ou de vestir como eu que eu gosto”, diz a professora, que enquanto trabalhava fez o curso de pedagogia.

Foi na escola no centro de Brasília que ela aprendeu a se identificar com ela mesma, inclusive com o nome escolhido no antigo orfanato, que na verdade, era o da irmã que ela lembrava quando chegou lá. “Teve uma época que eu sentia muita falta da minha mãe e eu demorei a aceitar essa parte da minha história, da minha família. E hoje uma das coisas que eu mais gosto é quando eu escuto as crianças falarem meu nome, e elas dizem com calma… Wiillma. Porque quando a criança te reconhece pelo nome é uma das maiores demonstrações de carinho. Então, essa sou eu, esse é meu nome e tenho orgulho dele”.

Wilma segura em suas mãos o livro “Histórias e Ninar para Garotas Rebeldes”, que conta fábulas de mulheres incríveis para meninas.

Ficha Técnica #TodoDiaDelas

Texto: Tatiana Sabadini
Imagem: Tatiana Reis
Edição: Andréa Martinelli
Figurino: C&A
Realização: RYOT Studio Brasil e CUBOCC
Matéria original: https://www.huffpostbrasil.com/2018/05/18/wilma-lino-dutra-a-menina-perdida-que-se-encontrou-e-hoje-ensina-o-significado-do-amor_a_23434627/

O HuffPost Brasil lançou o projeto Todo Dia Delas para celebrar 365 mulheres durante o ano todo.
Todo Dia Delas: Uma parceria C&A, Oath Brasil, HuffPost Brasil, Elemidia e CUBOCC