Texto por: Pablo Martins Carneiro, Diego Barrios e Marianna Mialski

No dia em que se soube, já estava a figurar nas remotas inscrições simbólicas daqueles que ouviram a notícia. Rita está grávida! Grávida, grávida… Ali, naquele momento, repleto do muito antes cultural e do tanto futuro desejoso, iniciou-se o desenvolvimento de uma criança.

A barriga, agora alvo dos olhares, sonhos, medos, projeções, desejos de união e solidão, se tornou linguagem comum a todos. E o estatuto de mãe obrigou Rita e se reinventar como tal. Foi duro, lindo, feio, maravilhoso, incandescente, real, simbólico e imaginário. Havia agora ela-mãe, ele-namorado-pai, mãe-avó, pai-avô, eu-mulher, eles-homens, barriga-bebê, tudo e todos ao mesmo tempo, bordando uma história de dentro para fora daquela barriga.

Sozinha no quarto, em frente ao espelho, ouvindo música, nas conversas com o namorado-pai, nos sermões da mãe-avó, no silêncio-barulhento do pai-avô, na leitura de livros infantis, Rita acolheu em si o quantum do desenvolvimento. E foi exatamente envolvida nessa colcha simbólica que nasceu Luísa. Esperada e falada por todos e todas, com sua história pré-contada.

Luísa existia onde não estava e estava onde não existia. E ali, aquele montinho de fome, sono e reflexos primordiais, foi acolhida pelo Outro primordial, que seguiria nutrindo-a das primeira marcas de humanidade. Rita, de olhos marejados de lágrimas, olhou para Luísa e viu que era recebida por um sorriso. Daquele dia em diante, capturado pela romântica semântica da linguagem de Rita, aquele esticar de músculo se tornou sorriso, sustentado pelo desejo da mãe e o amor da filha.

Assim, dia após dia, muitos assumiram a função de atribuir significado às expressões de Luísa, ao mesmo tempo que pressupunham e lançavam ao futuro seus desejos de desenvolvimento. Luísa, por sua vez, se fundia a uns, se diferenciava de outros e se descobria sujeito. Houve dor, houve presença, houve falta. Houve.

Quando uma criança nasce, ela presentifica um desejo anterior. As expectativas criadas a partir do filho imaginado começam a se tornar palpáveis e reais. A relação de Rita com Luísa foi iniciada nos primórdios de sua própria vida, em brincadeiras com bonecas e outros faz de contas. Tudo o que viveu até o momento do nascimento da sua pequena, carrega de significado as infinitas possibilidades desse encontro, tudo o que a relação pode estabelecer.

Para que uma criança se desenvolva, precisa estar enlaçada pelo desejo, pela suposição de sua capacidade, pelo lançamento de possibilidades de desenvolvimento. Ao mesmo tempo, necessita de um Outro que reconheça e sustente suas conquistas, numa captura significante que atribui significado a elas. A aprendizagem reconhecida e valorizada pelo grande Outro, se posiciona numa rede significante e pulsional que a impulsiona e sustenta como parte do repertório simbólico da criança. Em contrapartida, o estímulo em direção a qualquer ensinamento por parte dos adultos, se dá pelo anseio de que a criança aprenda, derivado da pressuposição de que é capaz de aprendê-lo.

Na ausência de um Outro primordial que suponha e estimule o desenvolvimento e a constituição de um sujeito, nada encontra lugar para florescer. O desejo do Outro tem seu lugar em viabilizar o desenvolvimento. Para isso, é preciso que o outro esteja. Esteja presente. Esteja envolvido. Esteja disponível.

Em nossa inquietante conversa com a professora Zulema Garcia Yañes, fonoaudióloga, psicomotricista e Diretoria do Centro Lydia Coriat de Porto Alegre, pudemos discutir importantes implicações de tais conceitos psicanalíticos para o campo da Educação e, assim, pensar no delicado lugar do adulto nos processos de desenvolvimento infantil. Uma dessas implicações diz respeito à postura ética do educador diante da relação com a criança. Explicamos melhor.

Assim como a mãe e o pai, ou aqueles e aquelas que assumem tais funções, o educador convida a criança ao mundo, cria expectativas de seu aprendizado, supõe o que ela, enquanto alteridade, pode e deve saber. Por outro lado, desejamos, como educadores e educadora, que as crianças nos acompanhem em nossas viagens, que participem do mundo simbólico que criamos e trazemos para a sala de aula em nossas falas, intervenções, planejamentos e brincadeiras.

Portanto, a postura ética se observa uma vez que o educador acredita na criança, é capaz de fazer essa suposição sobre o desenvolvimento do seu aluno e assume uma postura desejante em relação a esse processo de desenvolvimento. Tal ímpeto atua como um abraço, um colo simbólico em que a criança encontra espaço para sua expressão autêntica.

Para concluir, trazemos uma frase colocada por Zulema que nos inspira a construir uma educação pautada na ética da relação com o outro. Diz ela: Para que uma criança esteja atenta ao mundo, o adulto precisa estar atento a ela. Busquemos estar atentos às nossas crianças, praticando o respeito por sua originalidade e buscando criar as condições para que elas cresçam confiantes de ser quem são.

Comenta aí =)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s